Polignano a Mare

Onde se encontra Polignano a mare?

polignano-a-mare-vista panorâmica

A área municipal, limitada a leste pelo Mar Adriático, faz fronteira com Mola di Bari ao norte, Conversano a oeste, Castellana Grotte a sudoeste e Monopoli a sudeste. O território municipal de Polignano a Mare tem duas ilhas administrativas (“frazioni”) no município de Conversano.

É caracterizada por uma costa alta e por vezes recortada, na qual numerosas lâminas têm uma saída. Uma delas, Lama Monachile, é a enseada profunda imediatamente a oeste do centro histórico atravessada pela ponte, assim chamada porque no passado ali se atestava a presença da foca-monge. Outro importante é o Lama Santa Caterina. Ao longo da costa existem inúmeras cavernas marinhas, incluindo a Grotta delle Rondinelle.

A altitude do território varia de 8 metros na aldeia de San Vito a 220 metros no distrito de Chiesa Nuova, na fronteira com o território de Monopoli.

Quer provar os pratos típicos de Polignano a mare? reserve já a sua mesa!

O que ver em Polignano a mare?

De notável interesse naturalista são as suas grutas marinhas e historicamente importantes são o centro histórico e os vestígios da dominação romana. Entre estas últimas, a ponte da Via Traiana, ainda viável, que atravessa Lama Monachile, a profunda enseada imediatamente a norte do centro histórico.

caverna-de-polignano

Igreja Matriz da Assunção
A igreja matriz dedicada a Santa Maria Assunta domina a pequena Piazza Vittorio Emanuele, coração do centro histórico, e foi catedral até 1818, quando a pequena diocese de Polignano foi agregada à de Monopoli. No seu interior encontram-se algumas obras atribuídas ao escultor Stefano da Putignano, ativo entre os séculos XVI e XVII, e o importante Políptico da Madona com o Menino e Santos, do século XV sobre mesa dourada de Bartolomeo Vivarini com curadoria da ARPAI, além de uma infinidade de outras pequenas obras e preciosas vestes sacras doadas pelo antigo Mosteiro de San Benedetto, que hoje não existe. Dentro da Igreja estão guardadas na Capela de San Vito as relíquias do Santo, um fragmento do braço e a rótula.

Na aldeia de San Vito, na costa norte da cidade, logo atrás do pequeno porto ergue-se o imponente complexo da abadia beneditina. Além disso, dentro do território rochoso de Polignano existem algumas Masserie: edifícios típicos que datam dos séculos XVII e XVIII, usados ​​como fazendas por grandes proprietários de terras.

Igreja de Santo Antonio
Dedicada a Sant’Antonio, a igreja foi construída no final do século XVI na praça de mesmo nome e dedicada a Santa Maria di Costantinopoli. Outrora albergando o convento dos frades, hoje existe o serviço de Primeiros Socorros e também a sede da rádio Rádio Incontro. Na igreja existem três naves compostas por três pilares de pedra.

Igreja de San Cosma e Damiano
Construído no final do século XIX em estilo neoclássico dedicado aos santos Medici. Lá dentro estão as estátuas dos Santos Medici, San Rocco, San Sebastiano, Sant’Espedito. Há um grande altar barroco que vem do antigo Mosteiro de San Benedetto.

Igreja do Purgatório
No mesmo local onde foi construída a Igreja do Purgatório, na via Mulini, existiu uma capela dedicada a San Martino, relatada nos registros capitulares do século XV, posteriormente incorporada ao novo edifício para servir de sacristia, cuja entrada é na à direita da fachada da nova igreja. Ao lado do pequeno local de culto ficava o cemitério de mesmo nome, onde eram enterrados os meninos de famílias pobres. Do lado direito da capela fazia fronteira com o Hospital Annunziata. Dada a elevada taxa de mortalidade infantil, os irmãos da Congregação do Purgatório, entre 1714 e 1767, mandaram edificar a nova igreja no antigo cemitério ao ar livre e com as oferendas dos devotos, que continuaram a acolher os defuntos nos túmulos aí colocados.

O edifício, construído em estilo barroco, tem uma fachada dividida em duas ordens por um alto entablamento que segue a forma curva da parede. À direita da fachada ergue-se a empena sineira com dois arcos rematados por cornija ricamente trabalhada. A igreja é composta por uma nave única coberta por abóbada de berço, interrompida por uma cúpula elíptica, e por duas capelas laterais obtidas na espessura das paredes, equipadas com altares de mármore: a da esquerda consagrada a San Francesco da Paola, o da direita dedicado à Imaculada Conceição. O altar-mor, em mármore policromado, consagrado a San Martino, ostenta nas laterais o brasão da família ducal dos Lietos (1713-1792) que financiou a construção do altar e do órgão situado no sótão do coro. A igreja é embelezada com cinco grandes telas, uma das quais, colocada na parede posterior do altar-mor, representa San Michele e as almas do purgatório do pintor Andrea Miglionico. Outras duas telas são de Vincenzo Fato: em uma está pintada a Sagrada Representação com a Virgem Imaculada e os Santos, e na outra a Madona com os Santos Francesco da Paola, Agostino di Ippona e Andrea. Il pavimento è costituito da piastrelle maiolicate di notevole pregio posate durante il restauro del 1862, caratterizzate da figure geometriche e da colori molto vivaci. O pavimento é constituído por ladrilhos de majólica de grande valor colocados durante o restauro de 1862, caracterizados por figuras geométricas e cores muito vivas.

abadia-de-san-vito-de-polignano-a-mare

Abadia de San Vito
A Abadia de San Vito, de fundação beneditina, foi projetada no século X. A partir do século XVI, a abadia foi o lar dos frades conventuais menores da SS. Apostoli e em 1785 tornou-se Propriedade Real. Em 1866, o Estado vendeu a abadia aos marqueses La Greca, que ainda hoje são propriedade integral, enquanto a igreja é propriedade do Fundo de Culto do Ministério do Interior e cedida em concessão à Igreja Matriz de Santa Maria Assunta, onde aos domingos faça a massa.

O que comer em Polignano a mare? Onde comer em Polignano a mare?

Frutos do mar crus em polignano

A beleza de um típico centro histórico mediterrânico e a limpidez das águas marinhas que escavam grutas e lâminas entre as mais evocativas da Europa. É um prazer parar ao ar livre, nas praças características dominadas pelos restaurantes de peixe, onde pode saborear os pratos típicos de Polignano a Mare.

Frutos do mar crus de Polignano: sushi italiano
Os crudités do mar dispensam apresentações, são simplesmente um esplendor para os olhos e para o paladar.

Entre os pratos típicos de Polignano a Mare, não se pode escapar de uma bela composição de alimentos crus misturados, incluindo chocos, ouriços do mar, camarões vermelhos, camarões roxos, scampi e muitos outros tipos de peixes devidamente apresentados como a natureza os fez: crus e muito frescos.

Alguém lhe chama sushi italiano, uma verdadeira apoteose de sabores e texturas que colorem a mesa.

As cenouras de Polignano a Mare
O que comer em Polignano a Mare? Não pode perder a Cenoura de Polignano, um ecótipo da clássica cenoura com a particularidade de ter tons de cor desde o ameixa escuro ao amarelo canário, uma verdadeira paleta no prato!

Visite nosso Bed & Breakfast em Polignano a mare? onde ficar para visitá-lo.

Seu cultivo é feito em uma área bastante pequena, entre 10 e 20 hectares, perto da cidade de Polignano a Mare e principalmente no povoado de San Vito. Obteve o reconhecimento das Fortalezas Slow Food, como exemplo de um novo modelo de agricultura, baseado na qualidade, na recuperação dos saberes tradicionais e das técnicas de produção.

A focaccia de Polignano a Mare
Rainha dos pratos típicos de Polignano a Mare, a focaccia de Polignano não tem nada a invejar à mais conceituada focaccia de Bari, cuja disciplina já é ainda conhecida graças a consórcios para a proteção desta receita. Macio e saboroso, decorado com podorini fresco, aqui a diferença faz-se pela experiência, pelo forno e pelo tacho!

O sanduíche de peixe em Polignano a Mare
Entre as comidas de rua a não perder para um lanche rápido mas muito saboroso, as sandes de peixe são a joia absoluta.

Você pode encontrá-los caminhando no coração de Polignano, onde você pode comprar uma rodada de pão perfumado recheado com especialidades de frutos do mar, como polvo, salmão cru, camarão e peixe-espada, muitas vezes acompanhados de burrata e salada locais.

O Café Especial de Polignano a Mare
Para fechar o nosso almoço à base de pratos típicos de Polignano a Mare precisamos de um bom café, mas não qualquer…

Café, açúcar, raspas de limão, natas e amaretto: estes são os 5 ingredientes mágicos que dão vida ao Café Especial Polignano a Mare, servido em pequenos copos de vidro.

O que fazer em Polignano a mare?

Polignano a Mare não oferece muitas alternativas em termos de vida noturna. De fato, a discoteca mais próxima está localizada na mais populosa Monopoli, a apenas 15 minutos de carro, enquanto em Polignano a Mare há principalmente lidos na praia, lounge bars e cafés informais que ainda oferecem noites musicais acompanhadas por uma boa escolha de beber.

vista aérea de polignano

O Scoglio dell’Eremita é uma grande rocha no meio do mar, isolada, mas não muito longe da costa de Polignano a Mare, da qual fica a apenas alguns metros de distância. Situa-se a sul do país mas ainda pode ser vista de muito perto graças a um agradável passeio à beira-mar ou, no verão, a um passeio de barco. Na antiguidade, a posição da rocha deu rédea solta à criação de histórias e lendas segundo as quais a rocha estaria ali devido ao arremesso de um gigante durante um torneio entre criaturas lendárias

A Grotta delle Rondinelle é, entre as muitas cavernas de Polignano a Mare, uma das mais conhecidas e maiores de toda a costa norte. A gruta é acessível a todos, não só pelo mar, mas também pelas costas de uma forma muito fácil. No interior, a água e o areal são muito límpidos e logo se nota a grande abóbada suspensa, a cerca de sete metros da água, e uma escarpa estreita que se ergue como por milagre. A caverna é muito procurada principalmente por fotógrafos, alpinistas e entusiastas do mergulho.

A história de Polignano a mare:

O país tem uma história muito antiga. Como em toda a zona sudeste de Bari, também em Polignano foram encontrados vestígios da presença humana, que remontam ao Neolítico, na aldeia de Santa Bárbara.

Segundo alguns estudiosos, a antiga cidade grega de Neapolis poderia ser uma das duas colônias que, no século IV aC, Dionísio II de Siracusa fundou na costa do Adriático. Como referido, os vestígios mais evidentes da presença humana datam do Neolítico, na zona de Santa Bárbara (VI – V milénio aC), e no Manfredi Hypogeum (IV milénio aC), um dos povoados mais significativos da Puglia central.

As investigações arqueológicas revelaram a existência de um povoado da Idade do Bronze que, pela sua posição e locais naturais de desembarque, se tornou um importante porto. No 2.º milénio aC, o desembarque dos Iapyges levou os habitantes das aldeias a deslocarem-se para a zona do atual centro histórico. Também é atestada a frequência destes lugares por mercadores coríntios e áticos, sobretudo na Idade do Ferro, quando a Terra de Bari assumiu a denominação de Peucezia. No início do século III aC, a área de Polignano tornou-se um importante ponto estratégico para o poder de Taranto, com o qual estabeleceu relações comerciais, como atestam algumas peças do equipamento funerário de um túmulo descoberto na área de o jardim do bispo, investigado pelo bispo, monsenhor Mattia Santoro, em 1785. O Bispo encontrou um enorme sepulcro intacto contendo, além do esqueleto do guerreiro, os restos de uma armadura, um candelabro, um elmo de bronze e mais de 64 vasos e objetos antigos. Sir William Hamilton, o embaixador inglês em Nápoles, visitou a tumba nomeando-a “Grande Mausolée”. As melhores peças foram doadas pelo Bispo Santoro ao Rei D. Fernando IV que as colocou no Museu Real de Capodimonte de que constituíam “o ornamento mais precioso”. Em particular entre os quatro belos grandes vasos historiados com figuras vermelhas, datados do século IV. BC e que ultrapassava um metro de altura, havia um, chamado Gran Vaso di Capodimonte, mais bonito e maior que os outros. Nele está representado na parte central uma assembléia de divindades: Minerva, Apolo, Ártemis e Héracles em uma Amazonomaquia, enquanto no pescoço há um Nike alado em uma carruagem puxada por quatro belos cavalos brancos, precedido por Hecate no ato de levante duas tochas para liderar o caminho na escuridão. Este achado, entre os mais belos já encontrados, está hoje guardado no Metropolitan Museum de Nova York. O caminho deste Grande Vaso foi reconstruído pelo estudioso Giuseppe Maiellaro em seu livro A Divina Assembléia – Os acontecimentos do “Grande Vaso de Capodimonte” de Polignano ao Metropolitano. O Metropolitan Museum de Nova York, em junho de 2015, apropriou-se desta pesquisa ao reconhecer Polignano como o local da descoberta do Gran Vaso di Capodimonte.

Florescente centro comercial, foi uma importante estação para os romanos ao longo da estrada que ligava Roma a Brindisi.

Visite nosso B&B em Polignano a mare? onde ficar para visitá-lo.

estátua de domenico modugno em polignano

No século VI, Polignano estava sob a jurisdição do Império Bizantino, do qual a religião ortodoxa foi adotada. Com o advento dos normandos, que dominaram até 1194, o prestígio da vila cresceu, também graças ao trabalho dos beneditinos, presentes com dois mosteiros. O domínio angevino tornou ainda mais estreitas as relações comerciais com outros centros costeiros e muitos empresários e mercadores, inclusive venezianos, escolheram Polignano como residência. No século XVI, após o cerco de Monopoli, Polignano também caiu sob o domínio veneziano por vinte anos. Ainda hoje no centro histórico existe o palácio do Doge, onde residia o governador veneziano. Em 1530 Polignano foi cedido por Veneza a Carlos V, imperador da Espanha. Durante a dominação aragonesa, as atividades comerciais se desenvolveram sob o controle de especialistas venezianos. Obras foram erguidas para defender a cidade, a partir da costa. A cidade foi visitada várias vezes pela realeza: em 1797, o rei Fernando I das Duas Sicílias, acompanhado de sua esposa e filho, parou ali a caminho de Lecce e, após 10 anos, o rei Giuseppe Bonaparte também foi recebido lá com grandes festas .

Feudalismo abolido, Gioacchino Murat queria visitar o Reino de Nápoles, incluindo Polignano, para aumentar suas capacidades militares.

Onde dormir em Polignano a mare?

Escolha a sua casa! dormir perto de Castellana Grotte em um B&B com piscina.

Por que visitar Polignano a mare?

redbull clyf mergulho em polignano

Empoleirado na rocha com vista para o azul do Adriático, Polignano a Mare com suas praias, cavernas cavadas pela água cristalina e suas casas brancas é uma das “pérolas” da Puglia. Traços árabes, bizantinos, normandos e espanhóis se confundem entre as ruas estreitas de sua antiga vila.

Aqui nasceu Domenico Modugno, um dos maiores cantores e compositores italianos, imortalizado numa estátua à beira-mar, onde as suas canções mais famosas – como “Volare” ou “No azul pintado de azul” – continuam a ressoar das rádios de bares e outros locais.

As excelentes matérias-primas de que é rico Polignano, peixe fresco acima de tudo, mas também vegetais únicos como as coloridas cenouras de San Vito, tornaram a sua oferta gastronómica variada e eclética, graças também a contaminações de lugares distantes como o Japão.

Polignano a Mare é uma terra de excelência, de sabores e tradições ancestrais e é muito apreciada pela sua incrível gastronomia e, sobretudo, pela famosa cenoura que é considerada um património de biodiversidade e sabor.

redbull clyf mergulho em polignano

Polignano a Mare é a “pérola do Adriático“, uma combinação sublime do mar cristalino e das falésias da antiga vila que se destacam no azul com uma saliência sugestiva e de tirar o fôlego. Um oásis a ser descoberto na rica província de Bari, onde trulli e cavernas encontram sua saída natural para o mar na cidade de Domenico Modugno, entre os becos da história, os terraços e varandas embelezados pelo charme da época.
Premiada com o cobiçado reconhecimento da Bandeira Azul e das 4 velas do Legambiente, Polignano a Mare conta com a envolvente hospitalidade das suas gentes, com as suas tradições e folclore para receber os turistas. E à noite se veste com as cores de suas falésias que transmitem os sons e o encanto da terra da Puglia há milênios

Você quer visitar Polignano a mare? e economizar no preço do B&B? Consulte a nossa disponibilidade e peça-nos um desconto!

ARTIGOS RELACIONADOS

Quer dormir em nossa estrutura?

Um desconto na hora para você


Você está interessado em serviços de catering?

Ou chamar +393337845113


Agriturismo Masseria Alberotanza B&B e Ristorante a Conversano

Contrada Gorgorenzo, n. 15
Conversano, Puglia 70014
Telefone: +393337845113
Telefone secundário: +393317271337
Email: info@masseriaalberotanza.it
Scroll to Top